7 dicas para separar despesas pessoais das contas da empresa

7 dicas para separar despesas pessoais das contas da empresa

7 dicas para separar despesas pessoais das contas da empresa

Conciliar as despesas pessoais com as da empresa é, para muitos empresários, um enorme desafio. Seja por falta de informação ou simplesmente devido à desorganização, é comum que as contas de casa sejam pagas com o montante referente à empresa. Ou que o dinheiro pessoal seja usado em novos investimentos do negócio.

Dessa forma, as contas não fecham e o empresário, diante dessa situação difícil, começa a se questionar: como é possível separar despesas pessoais das contas da empresa? Bom, sejamos sinceros, nem sempre é uma tarefa fácil e, na verdade, ela requer bastante dedicação. Mas com um pouco de esforço, é totalmente possível encontrar esse equilíbrio financeiro.

E aí, você já se fez essa pergunta e está curioso com a resposta? Então, pode comemorar, pois criamos este post pensando exatamente nisso. Nele, você vai encontrar algumas dicas simples que vão ajudar a fazer esse gerenciamento. Não perca tempo e confira!

1. Faça um diagnóstico financeiro

O primeiro passo para separar despesas pessoais das contas da empresa é realizar um diagnóstico financeiro. Com ele, você poderá saber qual é o lucro real do seu negócio por mês e quanto está gastando com despesas pessoais.

Isso pode ser feito de uma maneira bem simples. Basta criar uma planilha com duas tabelas distintas, onde serão distribuídos os seus gastos pessoais e os gastos da empresa. Porém, lembre-se que, para o diagnóstico ser efetivo, nenhuma despesa pode ser deixada de fora — incluindo as mais básicas, como aquele cafezinho de fim de tarde.

2. Não leve despesas domésticas para a empresa

A rotina agitada dos empresários, muitas vezes, colabora para que eles se percam em meio aos próprios gastos. Assim, atitudes como pedir que um funcionário vá ao banco e pague a conta do seu celular ou da sua internet, por exemplo, podem se tornar bastante comuns.

Esse hábito deve ser evitado. Afinal, além de prejudicar o planejamento financeiro do seu negócio, o tempo em que o funcionário poderia trabalhar em algo lucrativo para empresa é desperdiçado em uma atividade totalmente alheia à função que ele exerce. Por isso, apesar de parecer vantajoso no momento, a longo prazo esse tipo de comportamento traz grandes prejuízos.

3. Tenha contas separadas

Por mais organizado que você seja, dificilmente conseguirá separar as despesas pessoais das contas da empresa se não tiver uma conta-corrente em seu próprio nome. Afinal, os valores se misturam cada vez mais e até um pequeno erro no controle é suficiente para gerar uma grande confusão.

A princípio, pode parecer complicado gerenciar as duas contas, mas isso é apenas uma questão de hábito. Com o tempo, os benefícios dessa separação tornam-se evidentes e você terá ainda mais motivação para manter todas as contas devidamente separadas e organizadas. Além disso, fica bem mais fácil comprovar seu faturamento na hora de fazer a declaração do Imposto de Renda.

4. Defina metas de retiradas

Outro ponto importante é definir uma quantidade fixa de retirada por mês, ou seja, um salário. Isso é necessário pois o lucro da empresa não é exatamente o lucro final do empresário. Na verdade, ele deve ser usado para fazer investimentos, pagar funcionários, renovar estoques, entre outras obrigações.

Por isso, ao definir o seu salário, você evitará extrapolar o limite de gastos que sua empresa é capaz de suportar. Mas para que isso aconteça, é preciso ter consciência da situação financeira do seu negócio. Só assim você poderá definir um montante justo, que, ao mesmo tempo, não coloque em risco a saúde financeira do estabelecimento.

5. Busque ajuda profissional

É verdade, nem sempre damos conta de fazer tudo sozinhos. Porém, não há mal nenhum nisso, o importante é saber reconhecer esse momento e pedir o auxílio necessário. Então, se você não se sente confiante o suficiente para gerenciar suas finanças sozinho, não perca tempo e busque ajuda profissional.

Você pode contratar um contador, por exemplo, para fazer um diagnóstico das suas despesas e verificar o que é gasto pessoal e o que não é. Por outro lado, também é interessante investir em tecnologia e comprar um software de gestão de fluxo de caixa — isso ajudará a montar planilhas de controle. Por fim, aplicativos voltados para o gerenciamento de gastos pessoais também são muito úteis.

6. Conheça os produtos oferecidos pelo seu banco

Isso mesmo, ter um bom conhecimento das opções ofertadas pelo seu banco também é um passo importante para separar as despesas pessoais das contas da empresa. É preciso se manter bem informado e contar com o seu gerente para lhe auxiliar a gerir suas contas.

Alguns bancos oferecem produtos, serviços e planos com maior custo-benefício para clientes antigos, por exemplo. Além disso, o gerente do seu banco é, sem dúvidas, a melhor pessoa para indicar como você pode aproveitar os produtos empresariais e pessoais sem criar uma grande confusão.

7. Estabeleça fundos de emergência

Quem é empresário sabe disso: o mercado é sempre inconstante e aqueles que não se previnem, podem acabar entrando em grandes dificuldades. Por isso, para conseguir lidar com as mudanças e as novas necessidades do seu negócio, é fundamental criar uma reserva financeira para a empresa.

Contudo, lembre-se que essa reserva deve ser usada somente em casos de emergência da companhia e nunca para gastos pessoais. Portanto, é interessante estabelecer uma reserva distinta, voltada apenas para imprevistos domésticos. Assim, você garante que nem os fundos da empresa nem suas reservas pessoais serão usados de forma indevida.

Essas foram as nossas dicas sobre como separar despesas pessoais das contas da empresa. Esperamos que tenha gostado e que elas ajudem você a controlar melhor a sua vida financeira. Afinal, esse é um ponto fundamental para um empresário de sucesso e, quem não se atenta a ele, certamente sai em desvantagem. Você não vai cometer esse erro, não é mesmo?

E aí, gostou do conteúdo e acha que ele foi útil para você? Então, não se esqueça de compartilhá-lo em suas redes sociais. Assim, outras pessoas poderão aprender um pouco sobre controle financeiro com as dicas que listamos!

Deixe um comentário

Leia também:

  • Como ficam os bens financiados no divórcio?

    O divórcio é uma situação dolorosa e difícil para muitas pessoas, especialmente quando há bens financiados envolvidos. Nesses casos, é importante entender como fica a divisão desses bens no processo de divórcio.  Esse é um assunto complexo e delicado, que envolve questões jurídicas e financeiras. Neste texto, vamos explorar em detalhes como ficam os bens

    14 de março de 2023
  • Financiamento imobiliário: saiba quais são os documentos necessários

    Sumário O retrospecto positivo do mercado imobiliário é animador e gera otimismo em relação às tendências para 2023. A previsão é de um crescimento superior ao que está sendo projetado para a economia nacional, com a expectativa de aumento na geração de negócios e criação de novas oportunidades profissionais. Mesmo com o mercado imobiliário brasileiro

    7 de março de 2023
  • Dicas de finanças: como ter um controle financeiro?

    A princípio, ter uma organização financeira não é uma tarefa fácil para muitos, contudo, trata-se de uma área bastante importante, pois pode acarretar diversos problemas, como dívidas e pendências. Porém, o que muitos não sabem é que é possível ter um controle financeiro, adaptando alguns pontos e fazendo uma melhor organização em relação às finanças,

    28 de fevereiro de 2023